2017

2017

sábado, 31 de dezembro de 2011

FRANCK POURCEL - WESTERN - 1974

Em agosto/2011 eu postei um disco de trilhas sonoras de filmes de Bang Bang a italiana, tendo na sua maioria músicas do grande Ennio Morricone. Nesta semana encontrei um outro disco de trilhas de bang bang. Só que agora na versão da Orquestra de Franck Pourcel. Sempre é interessante comparar os arranjos de cada maestro.

O disco intitulado "Western" foi lançado em 1974, pela gravadora EMI, em sistema Quadrifônico, que na verdade era uma evolução do estéreo, gravado em mais canais, dando o efeito em quatro saídas de áudio. O disco contém as seguintes trilhas:
1. Bonanza; 
2. Once upon a time in the west; 
3. No quarter; 
4. The green leaves of summer; 
5. High Noon; 
6. The big country; 
7. The magnificent seven; 
8. A fistful of dollars; 
9. the unforgiven; 
10. Gunfight at the O. K. Corral; 
11. The good, the bad and the ugly; 
12. The call of the far-qawy hills.




Capa (Front) - Edição Brasil




Contra Capa (Back) - Edição Brasil




Contra Capa (Back) - Edição England



 Selo (Label) - Edição Brasil



Capa (Front) - Edição K7





 Capa (Front) - Edição USA



 Contra Capa (Back) - Edição USA


Links:

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

ORQUESTRA BRASILEIRA DE ESPETÁCULOS - GRANDES SUCESSOS - 1967 A 1975

Durante quase uma década, entre 1967 a 1975, a Orquestra Brasileira de Espetáculos, formada por músicos de estúdio da gravadora CBS/Columbia, lançava para cada novo disco de Roberto Carlos, uma versão instrumental, com as mesmas músicas do Rei, com arranjos suaves e de grande orquestra.

Há quem diga que esses arranjos, em algumas gravações são as mesmas dos discos do cantor Roberto, apenas com a retirada de sua voz e em substituição a colocação de cordas e metais. Outro fato interessante é que nunca se soube quem eram os músicos que acompanhavam a Orquestra Brasileira de Espetáculos. Fica o desafio para pesquisarmos sobre esses nomes...

A postagem de hoje contém uma coletânea desse período, em ordem não cronológica. Foi lançado nos anos 90 em formato Compact Disc - CD, como parte da coleção “Brilhantes”, que continha uma arte e diagramação de mau gosto e sem nenhuma informação. Assim resolvi preparar uma nova capa e contracapa, que fosse mais aceitável. O disco contém as seguintes músicas:

1. Detalhes (1971);
2. Quando (1968);
3. Sentado a beira do caminho (1969);
4. Quero que vá tudo pro inferno (1967);
5. Além do horizonte (1975);
6. A distância (1972);
7. Amada, amante (1971);
8. A montanha (1972);
9. O homem (1973);
10. Como é grande o meu amor por você (1968);
11. Se você pensa (1969);
12. O portão (1974);
13. Debaixo dos caracóis dos seus cabelos (1971);
14. O show já terminou (1973)












quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

JUPITER SUNSET - BACK IN THE SUN - 1970

Sempre que eu ouvia a música Eu e o Sol, gravada em 1971, pela banda brasileira “The Fevers”, que era uma versão da música Back in The Sun, da banda “Júpiter Sunset”, eu me perguntava quem era a banda original e como cantava. 

Após pesquisa, descobri que há pouca coisa a respeito dessa banda, com relação a sua atuação nos anos 70. Parece que foi aquela banda de um único sucesso por aqui.

Assim aproveito para compartilhar, postando o compacto simples, lançado em 1970, pela gravadora EMI francesa, em compacto simples, contendo uma versão cantada e outra instrumental da música Back in The Sun. Para comparar, estou incluindo a versão brasileira da música, intitulada Eu e o Sol e gravada pela banda "Os Fevers".

Para quem está curioso como eu, essa banda francesa surgiu por acaso decorrente de reuniões de amigos, que resolveram criar, de forma despretensiosa, uma canção, surgindo assim a banda Jupiter Sunset. Foi sucesso imediato na França, Bélgica e em outros países com menos repercussão. O grupo acabou logo em seguida e ressurgiu em 1977, na onda do disco music, com o nome de Jupiter Sunset Disco Band.










PROPAGANDA SELENIUM - TRIO ELÉTRICO - 1996

Em 1996 foi veiculada uma campanha publicitária dos alto falantes da marca Selenium, atual JBL, que era bem pitoresca na forma de chamar  atenção para o produto. A maneira de comparar a não existência do produto com alguma situação musical foi muito engraçada e inteligente.
Segue uma delas que comparava um trio elétrico sem os alto falantes Selenium.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

SECRET SERVICE - SPOTLIGHT - 1989

O grupo Secret Service foi uma banda sueca dos anos 80, tendo em sua formação o vocalista Ola Håkansson, nos teclados Ulf Wahlberg, na guitarra Tonny Lindberg, no baixo Leif Paulsen e na bateria Leif Johansson.

Em 1979, Ola Håkansson, ex-vocalista do grupo “Ola & the Janglers” e então um publicitário da Sonet Records, juntou-se a Tim Norell e Ulf Wahlberg para escreverem algumas canções, que mandaram para o Melodifestivalen, um popular festival de canções na Suécia. Acabaram não vencendo, porém resolveram continuar trabalhando juntos e mudaram o nome de Ola+3 para "Secret Service".

Norell escreveu com Håkansson a maioria das canções da banda, no entanto não apareceu com eles no palco ou nas capas dos discos. O primeiro compacto deles, Oh Susie se tornou um sucesso na Suécia e em vários outros países da Europa e na América Latina, principalmente no Brasil. O álbum de mesmo título incluiu Ten O'Clock Postman, que ganhou disco de ouro na Escandinávia. Outros sucessos se seguiram, como Flash in the Nigh (1982) e Cry Softly, alcançando as primeiras posições nas paradas da Europa.

Em meados dos anos 80 Norell e Håkansson começaram a escrever e produzir canções para outros artistas. O dueto de Ola Håkansson com a ex-ABBA, Agnetha Faltskog, gerou a canção The Way You Are, que ganhou o compacto de ouro na Suécia.

Em 1987, Håkansson, Norell e Wahlberg lançaram Aux Deux Magots, seu último disco como Secret Service. Os demais membros deixaram a banda e foram substituídos pelo multi-instrumentista Anders Hansson e o baixista Mats A. Lindberg. Em 1992, Håkansson e seus sócios estabeleceram a Stockholm Records como uma joint-venture da PolyGram, produzindo bandas como Army of Lovers e The Cardigans.

Nesta postagem apresentamos uma coletânea reunindo os maiores sucessos da banda Secret Service, lançado independentemente pela Sonet, intitulado “Spotlight Secret Service”, com as seguintes músicas:

1. Oh! Susie; 
2. L. A. Goobye; 
3. Flash in the night; 
4. Yes-Si-Ca; 
5. Broken hearts; 
6. Ten O’clock postman; 
7. Dancing in madness; 
8. Fire into ice; 
9. Like a morning song; 
10. When the dancer you have loved walks out the door; 
11. Jo-Anne, Jo-Anne; 
12. Jupiter song; 
13. Mrs. Marple; 
14. Visions of you; 
15. When the nights closes in; 
16. Let us dance just a little bit more; 
17. Night city;

Bônus: 
18. The way you are; 
19. Cry softly.











 LINK:


LUCIO ALVES - INTERPRETA DOLORES DURAN - 1960

O cantor e compositor brasileiro Lúcio Alves, ou simplesmente Lucio Ciribelli Alves, nascido em Cataguases/MG, no dia 28/01/1925 e falecido em 03/08/1993, no Rio de Janeiro, foi um dos grandes cantores e pioneiros da Bossa Nova. Destacava-se pelo cantar aveludado e sensível que ditava nas canções.

Começou a tocar violão na infância. Criou nos anos 40, o grupo musical “Namorados da Lua”, onde ele era o vocalista, violonista e arranjador. O grupo fez sucesso e se desfez em 1947. Compôs com o compositor Haroldo Barbosa as belas canções De conversa em conversa e Baião de Copacabana.

No início da década de 50 se tornou um dos cantores mais populares do rádio. Gravou com o cantor brasileiro Dick Farney, a canção famosa Teresa da praia (Tom Jobim e Billy Blanco), Sábado em Copacabana (Dorival Caymmi e Carlos Guinle), Valsa de uma cidade (Ismael Neto e Antonio Maria) e Xodó (Jair Amorim e J.M. de Abreu)

O disco “Romântico / A arte do espetáculo - ao vivo” - gravado ao vivo no restaurante-bar Inverno & Verão, em São Paulo, em agosto de 1986, foi a última gravação de Lúcio Alves.
(Fonte: Wikipedia)

Nesta postagem apresentamos uma das grandes obras desse cantor, com o disco Lúcio Alves interpreta Dolores Duran, que homenageava a cantora brasileira Dolores Duran que  tinha falecido em 1959. O disco foi lançado em 1960, pela gravadora EMI-Odeon, com o selo Coronado, com produção de Aloysio de Azevedo. Teve a participação do pianista Luis Carlos Vinhas, acordeonista Chiquinho, Violonista Baden Powell, baterista Juquinha e baixistas Gabriel e Ed Lincoln. Contém as seguintes músicas:

1. Idéias erradas; 
2. A noite de meu bem; 
3. Estrada do sol; 
4. Castigo; 
5. Noite de paz; 
6. Vou chorar; 
7. Por causa de você; 
8. Fim de caso; 
9. Pela rua; 
10. Quem sou eu; 
11. Solidão; 
12. Canção da tristeza.












AQUARIUS BAND - MI VIEJO - 1970

A pedido do amigo Jorge Pizzolo, estou postando o segundo disco do Aquarius Band, lançado pela gravadora Continental, em 1970. A seleção do repertório muda um pouco de estilo em relação ao anterior postado.

O destaque desse disco são as músicas do cantor e compositor argentino Piero, com as músicas Mi Viejo e Juan Boliche. Já o pecado deste disco é a falta de informações da produção e da própria banda.

Infelizmente a qualidade de áudio desse disco postado foi prejudicada pelo estado deplorável da matriz em vinyl que encontrei em um sebo. Mesmo utilizando os recursos da digitalização, isso não foi suficiente. Mas....vale o resgate. Quando encontrar um melhor, o substituirei.

O disco contém as seguintes músicas:

1. Para nós dois; 
2. Cambiemos el color del cielo; 
3. Take a letter Maria; 
4. A chi; 
5. Hello Monalisa; 
6. Juan Boliche; 
7. Tiritando; 
8. Mi viejo; 
9. Looky, looky; 
10. Cissy strut; 
11. Qui tal mi amor?; 
12. Venus; 
13. Don't forget to remember.














terça-feira, 27 de dezembro de 2011

AQUARIUS BAND - IN THE SUMMERTIME - 1970

Aquarius Band foi uma banda paranaense que fez sucesso regional nos anos 70, tocando em bailes e shows locais. Sua formação basicamente era composta por Paulo Chaves (ex Sam Jazz Quintet), posteriormente Luizinho (vocal), Dino (guitarra), Cuco (baixo) e Maurici (bateria). Gravaram 4 discos em long play e vários compactos, sendo dois em 1970, um em 1971 e o último em 1978.

Na postagem que apresentamos, trata-se de um dos discos de 1970. O destaque do disco está no uso de metais, da seleção das músicas, com toque de soul music e duas gravações de músicas dos Beatles, com arranjo próprio. 

O disco foi lançado no Brasil pela gravadora Continental e contém as seguintes músicas:

1. In the summertime; 
2. Yellow river; 
3. Back in the Urss; 
4. 30-60-90; 
5. Giorno per giorno; 
6. Get ready; 
7. Primavera; 
8. The lover; 
9. Quero voltar para Bahia; 
10. El dúbio; 
11. Mr. Ballon man; 
12. Poppin’; 
13. Rainy night in Georgia.



domingo, 25 de dezembro de 2011

PAUL MAURIAT - VOLUME 7 - 1969

Mais um disco do Paul Mauriat para a coleção. O destaque dessa obra se deve a seleção de músicas de estilo "Soul Music", uma homenagem desse grande maestro ao black music.
Nesta postagem apresentamos o Volume 7, editado no Brasil em 1969, pela gravadora Phonogram, que ainda era denominada Companhia Brasileira de Discos, com  o selo Philips. Contém as seguintes músicas:

1. I heard it throught the grapevine; 
2. Respect; 
3. When a man loves a woman; 
4. Love child; 
5. I never loved a man; 
6. A natural woman; 
7. I'm gonna make you love me; 
8. Unchain my heart; 
9. You keep me hangin'on; 
10. I've been loving you too long; 
11. In the midnight hour; 
12. Sweet charity.
















Capa Alternativa - Edição Europa

sábado, 24 de dezembro de 2011

MARCIO GREYCK - 1967

O músico, cantor e compositor brasileiro, Márcio Greyck nasceu em Belo Horizonte, no dia 30/08/1947 e seu auge de sucesso ocorreu no final dos anos 60 e década de 70. Começou em 1967 quando lançou o seu primeiro disco com canções dos Beatles incluindo sua primeira composição Venha sorrindo.

O sucesso nacional chegou com a canção Impossível Acreditar Que Perdi Você; parceria com seu irmão Cobel e cujo disco vendeu mais de 500 mil cópias, sendo considerado na época como um fenômeno de vendas e que ficou nas paradas durante seis meses consecutivos, tendo sido regravada também por mais de 60 artistas de diferentes estilos de interpretação, entre eles Fábio Junior, Rita Ribeiro, Verônica Sabino, Wilson Simonal, Rosana, Toni Platão, entre outros.

Seguindo ainda com sucessos como O Infinito, O mais importante é o verdadeiro amor, Aparências, O Travesseiro, Reencontro entre outras. Lançou um disco em espanhol para toda a América Latina e foi reconhecido também em terras portuguesas.Foi um dos artistas que mais atuou em programas de TV, tendo inclusive apresentado o seu próprio programa “O mundo é dos Jovens” na extinta TV Tupi de São Paulo, além de participar de festivais internacionais e ganhar prêmios importantes como a Gaviota de Plata em Vinã del Mar no Chile, no ano de 1983.

Como compositor ele também tem canções gravadas por Roberto Carlos, tais como: Tentativa e Vivendo por viver; Essa segunda, um grande sucesso, gravada também por Zezé di Camargo e ainda Sérgio Reis.

Seu último sucesso foi a canção Faz Assim, incluida na trilha da novela juvenil Malhação da TV Globo (2003) e  recentemente muito executada em programas de rádio em todo o país na voz do grupo jovem “Sorriso Maroto”. Teve a inclusão de sua mais famosa canção nas trilhas sonoras dos filmes “1972”, de José Emílio Rodeau e também em “Árido Movie”, personagem leva o seu nome, além do filme “O Homem que desafiou o diabo”, com Marcos Palmeira, que seu filho, Rafael Greyck participa cantando Impossivel acreditar que perdi você.

(Fonte: marciogreyck.com.br e wikipedia)

Apresentamos o disco lançado em 1967, pela gravadora Phonogram, com o selo Polydor, com a  inclusão de quatro músicas dos Beatles. Cabe destacar que Marcio Greick foi um dos primeiros artistas brasileiros a cantar Beatles. As músicas do disco são:

1. Ela me deixou chorando (Lucy in the sky with diamonds); 
2. Se você quiser meu amor (She's rather be with you); 
3. Ela não vem mais; 
4. Venha sorrindo; 
5. Quero ser livre (I wanna be free); 
6. Gosto de você e voce de mim também; 
7. Minha menina (Eleanor rigby); 
8. Só sei olhar para você (Can't take my eyes of you); 
9. Sempre vou te amar (When I'm Sixty four); 
10. Como um dia a nascer (A whiter shade of pale); 
11. Penny Lane.










sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

ANARCHIC SYSTEM - CHERIE SHA LA LA - 1978

O Anarchic System foi uma banda francesa formada no início dos anos 70. Seus membros faziam parte de outros grupos do rock do norte da França. Sua formação era Gilles Devos (Vocal), Jacques Deville (Vocals e guitarra), Patrick Verette (Baixo), Christian Lerouge (Teclados e minimoog) e Michel Dhuy (Bateria).

O sucesso aconteceu em 1972, após gravarem a música PopCorn, possibilitando que fossem conhecidos mundialmente. Esse sucesso comercial (700 mil cópias vendidas) deu à banda a oportunidade de lançar dois outros singles Carmen Brasília e Summer Royal.

Suas músicas são na sua maioria atribuídos a música eletrônica devido à presença dos teclados em quase todas as músicas. Foram influenciados por outros gêneros de rock, tais como, Uriah Heep, Warhorse, Black Sabbath, entre outros.

Nesta postagem apresentamos um disco lançado no Brasil em 1978, contendo os principais sucessos e incluindo a música Cherie Sha La La, conhecida no Brasil como Querida, versão do grupo “Os Fevers”. O disco contém as seguintes músicas:

1. Cherie sha l ala; 
2. Carmem Brasilia; 
3. Marina; 
4. Royal Summer; 
5. Popcorn; 
6. Barabara; 
7. Popcorn (instrumental); 
8. Royal summer (instrumental); 
9. Little girl; 
10. Road master; 
11. Elga; 
12. Arabian melody 
13. Bônus: See me, hear me.







LAFAYETTE - APRESENTA OS SUCESSOS - VOL. 5 - 1968

Uma vez que já postei os volumes 2 e 3 do tecladista Lafayette (setembro e novembro), segue agora o volume 5, que obtive recentemente de um amigo.

O disco foi lançado em 1968, pela gravadora CBS (atual Sony Music), com o selo Entre. O destaque é a versão Love is Blue, de Paul Mauriat. Contém as seguintes músicas:

1. The son of hickory holler's tramp; 
2. Lookin glass; 
3. Love is blue; 
4. Forbidden fruit; 
5. A pobreza; 
6. Chaba da; 
7. Simon day; 
8. Philly dog; 
9. Honey; 
10. Prá nunca mais chorar; 
11. Words. 
12. Bend me, Shape me











Links:

NINA & FREDERICK - 1968

Pouco conhecido no Brasil, Nina & Frederick foi um duo dinamarques que atuou no inicio dos anos 50 e final dos anos 60. Seu repertório consistia em uma mistura de música folk, calipso e pop balada. Sua formação era composta por Frederick van Pallandt Baron e sua esposa Nina van Pallandt. Foi em uma reunião caseira informal, na casa dos pais de Frederick, quando tocava violão, que Nina começou a cantar para ele e foi nesse momento que eles decidiram cantar juntos. 

Em 1957,  após cantarem para os amigos e em shows de caridade que surgiu a oportunidade de se profissionalizarem. Em 1959,  obtiveram seus primeiros sucessos com as músicas Jamaica Farewell e Come Back Liza. O álbum "Nina & Frederick" ficou entre os 10 mais da parada inglesa e em vários outros países da Europa.

Nesta postagem apresentamos um disco lançado no Brasil em 1968, com o selo Musidisc. O destaque são as músicas estilo folk, lembrando a grande dupla “Simon & Garfunkel”. Já o destaque negativo, é a forma como as gravadoras não se importavam com as informações da obra. 

Na contracapa do disco nacional é feito propaganda de outros discos da gravadora, mas não é mostrado informações das faixas, compositores ou da produção. Apesar das limitações da matriz, que prejudicou um pouco a qualidade de aúdio, vale a pena conhecer.O disco contém as seguintes músicas:


1. My summer love; 
2. It’s not just any kind of day; 
3. Dawn; 
4. In the land of Odin; 
5. The Mary faces of love; 
6. Elizabeth I e II; 
7. You saved the day; 
8. Lovers of the world unite; 
9. Only when I’m lonely am I free; 
10. Pourquoi J’Aime Paris; 
11. Magic book; 
12. Lonely Sunday; 
13. What a pretty colour; 
14. Just like a rose.